Modo difuso e modo focado as duas formas de aprender

Aprender é  uma coisa que fazemos do primeiro ao último segundo de nossas vidas, mas será que a forma que você estuda é eficiente? Felizmente não é de hoje que a humanidade se dedica a estudar como nosso cérebro funciona e por isso temos evidências que nos guiam para um aprendizado mais eficaz.

.

Aprendizagem focada e aprendizagem Difusa

Em seu livro Aprendendo como aprender Barbara Oakley explica que existem dois modos de aprendizagem o “Focused mode” e o “Diffuse Mode”. O primeiro é quando estamos aprendendo algo novo e dedicamos nosso tempo lendo, resolvendo exercícios, assistindo aulas, ou até mesmo ouvindo um podcast atentamente.

Ou seja, sempre que  estamos conscientemente focados em estudar algum assunto estamos neste modo. Esta é a forma clássica que normalmente usamos para estudar, e ela é sim fundamental para consolidar um aprendizado novo. Veja que usei a palavra ‘consolidar’ porque  quando estamos aprendendo algo totalmente novo o modo focado não é eficiente pois nosso cérebro não consegue fazer as ligações necessárias. O modo focado só é capaz de fazer uma busca pelas conexões ‘vizinhas’, o que nesses casos não é o suficiente.

Para ilustrar isso imagine o nosso cérebro como uma mesa de Pinball ,nosso pensamento ou raciocínio seria a bolinha que é impulsionado no começo do jogo, cada circulo na mesa é um conhecimento, observe na imagem que no modo focado esses círculos estão um mais próximos do outro, o que facilita as conexões, mas por outro as limita a um pequeno espaço. O oposto acontece no modo difuso, as bolas na mesa estão mais afastadas, o que nos permite criar ligações entre pensamentos mais distantes, que muitas vezes são necessárias para entender assuntos novos ou mais complexos. É aqui que seus conhecimentos variados entram em interação.

Ilustração modo difuso e focado
Modo focado exemplificado a esquerda modo difuso à direita

Entenda o modo difuso

Já o “Diffuse mode” é quando você está tomando banho e de repente você tem alguma ideia brilhante para resolver um problema que te atormentava a dias. Com ele nós conseguimos ter uma imagem mais ampla do problema e assim buscar em mais conexões a solução . E o incrível é que tudo isso ocorre de forma subconsciente, sem esforço notável. Mas para podermos chegar nesse ponto primeiramente devemos   ter usado o modo Focado tempo suficiente para que aquela  informação entre e ative a engrenagem do modo difuso.

Quando usar cada modo

O truque é saber trocar entre o modo difuso e o modo focado, se você estiver travado em um problema talvez seja a hora de sair tirar a cara dos livros ou da tela do PC e ir dar uma volta no quarteirão, ouvir uma música , meditar ou tirar um cochilo. Essas duas últimas trazem benefícios extraordinários. Uma técnica que já foi usada por um grande inventor é a ‘quase soneca’, quando se via em um problema sem solução, ele sentava em sua cadeira de balanço segurando um guizo e quando caia no sono por consequência acabava soltando o guizo que com seu barulho o acordava. E junto com seu despertar vinha as ideias para solucionar seus problemas. 

Modo difuso e Focado na prática

Suponhamos que você esteja aprendendo sobre Programação orientada a objetos ou a Velha República brasileira, primeiramente você deverá focar por um período de tempo, eu recomendo o uso da técnica Pomodoro que consiste fazer uma atividade por 25 minutos e alternar entre pausas de 5 minutos. Durante a pausa você pode fazer uma caminhada, brincar com seu filho/irmão ver aquele programa fútil de fofocas, navegar na internet e o melhor sem culpa alguma. O seu cérebro estará, em segundo plano,tentando entender aquele assunto que você começou a estudar. Quando você voltar  verá que o tópico que estava travado será mais fácil de entender,  pois este estará sendo visto sob  outra perspectiva. 

Considerações finais

Já foi senso comum a ideia de que estudar horas a fio era o método mais eficiente de aprender, mas como você podê ver isso não é verdade, precisamos dar um tempo para o nosso subconsciente trabalhar. Então a regra é: alterne sempre . Eu recomendo este cronometro: Tomato Timer, ele permite editar o tempo dos Pomodoros e das pausas, e o melhor é gratuito.

Com essas dicas você já será capaz de dar uma turbinada no seu aprendizado, fique atento ao blog que logo logo teremos mais conteúdo sobre “Aprendendo a aprender”. E claro, recomendo fortemente o curso da Prof. Barbara Oakley e do seu livro, ambos chamados “Aprendendo a aprender”. O curso está disponível com legendas em PT-BR e você pode fazer de forma gratuita na plataforma do Coursera clicando aqui e o livro aqui.